Mundo
Demarcação militar

Soldados sul-coreanos disparam tiros de advertência após invasão de tropas norte-coreanas

Cerca de 20 a 30 soldados norte-coreanos, enquanto se dedicavam a trabalhos de construção não especificados no lado norte da fronteira, cruzaram brevemente a linha

Compartilhe:
18 de junho de 2024
Vinicius Palermo
Soldados sul-coreanos disparam tiros de advertência após invasão de tropas norte-coreanas
Tensão na fronteira militarizada entre as Coreias.

Soldados sul-coreanos dispararam tiros de advertência para repelir soldados norte-coreanos que cruzaram temporariamente a fronteira terrestre entre os rivais na terça-feira, 18, pela segunda vez neste mês, disseram os militares da Coreia do Sul.

Segundo o Estado-Maior Conjunto, cerca de 20 a 30 soldados norte-coreanos, enquanto se dedicavam a trabalhos de construção não especificados no lado norte da fronteira, cruzaram brevemente a linha de demarcação militar que divide os países às 8h30.

O Estado-Maior Conjunto disse que os soldados norte-coreanos recuaram depois que o Sul emitiu avisos e disparou tiros de advertência e que os militares do Sul não detectaram nenhuma atividade suspeita depois disso.

Os militares do Sul observaram o aumento das atividades de construção norte-coreanas ao longo de sua fronteira fortemente armada para instalar supostas barreiras antitanque, reforçar estradas e plantar minas terrestres. O trabalho continuou sem interrupções, apesar de várias explosões causadas por minas que mataram ou feriram um número não especificado de soldados norte-coreanos, disse o Estado-Maior Conjunto do Sul.

O Sul também disparou tiros de advertência em 11 de junho, depois que outro grupo de soldados norte-coreanos cruzou brevemente a fronteira. O Estado-Maior Conjunto disse que o incidente de terça-feira ocorreu em uma área diferente ao longo da região central da linha de frente. Ele disse que não acredita que os soldados norte-coreanos tenham invadido a fronteira intencionalmente e que o Norte não retornou o fogo.

Os militares do Sul disseram que a área da fronteira é repleta de árvores e plantas que podem ter obscurecido a visibilidade dos soldados norte-coreanos e os levado a cruzar a fronteira.

O Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas disse que suspeita que a Coreia do Norte expandirá suas atividades de construção da fronteira, que começaram por volta de abril e possivelmente pretendem dificultar a deserção de civis ou soldados norte-coreanos para o Sul, já que a liderança de Pyongyang tenta fortalecer o controle sobre seu povo.

“Nossas forças armadas estão monitorando de perto as atividades militares norte-coreanas na área da linha de frente, enquanto se protegem contra situações acidentais”, disse o Estado-Maior Conjunto em um comunicado.

As invasões de fronteira ocorrem em um momento em que as tensões aumentam entre os rivais divididos pela guerra, que nas últimas semanas se envolveram em uma guerra psicológica no estilo da Guerra Fria e deixaram claro que não estão mais vinculados ao seu acordo militar histórico de 2018 para reduzir as tensões.

A fronteira fortemente fortificada das Coreias, conhecida como Zona Desmilitarizada, tem sido ocasionalmente um local de derramamento de sangue e confrontos violentos entre os rivais. A linha de demarcação militar marca a fronteira entre as duas Coreias dentro da DMZ, que tem 248 km de comprimento e 4 km de largura.

A zona está repleta de cerca de 2 milhões de minas e também é protegida por cercas de arame farpado, armadilhas para tanques e tropas de combate em ambos os lados. É um legado da Guerra da Coreia de 1950-53, que terminou com um armistício, não com um tratado de paz.