Diário Comercial

Destaques do Dia


Política


Bolsonaro disse que Brasil é diferente dos EUA

O presidente Jair Bolsonaro reagiu às críticas após ter saído às ruas na manhã de domingo, na contramão de recomendações do Ministério da Saúde. “Atiram numa pessoa só. O alvo sou eu. Se o Bolsonaro sair e entrar o (Fernando) Haddad (PT, candidato derrotado por Bolsonaro em 2018) ou outro qualquer, está resolvido o problema. Esta realidade tem que ser mudada", disse Bolsonaro ao deixar o Palácio da Alvorada ontem. O presidente também evitou comentar a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de mudar o rumo no combate à covid-19. Trump estendeu o isolamento social no país norte-americano até o dia 30 de abril. "Eu não vou discutir. Brasil é diferente de qualquer outro país", declarou Bolsonaro. O presidente reforçou que está trabalhando com responsabilidade tanto em relação ao novo coronavírus quanto aos impactos na economia. A apoiadores, ele declarou que é preciso resolver o problema e, com ironia, questionou se seria necessário trocar o presidente da República. "Parece que o problema é o presidente. É que o presidente tem responsabilidade, tem que decidir. Não é apenas a questão de vida, é a questão da economia também, a questão do emprego. Se o emprego continuar sendo destruído da forma como está sendo, mortes virão outras por outros motivos", declarou, citando depressão e suicídio. No domingo, Bolsonaro foi às ruas de Brasília um dia após o seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pedir, em reunião tensa, que o presidente não menosprezasse a gravidade da pandemia em suas manifestações públicas. A ida de Bolsonaro a comércios da capital causou aglomerações de pessoas que queriam tirar selfies com o presidente. "O que eu tenho conversado com o povo: eles querem trabalhar. É o que eu tenho falado desde o começo. Vamos tomar cuidado, a partir dos 65 fica em casa...", disse o presidente. O procurador da República Julio José Araujo Junior, do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro, pediu à Justiça Federal que aplique multa de R$ 100 mil à União após o presidente "realizar caminhadas em cidades satélites do Distrito Federal" neste domingo. Ele também pede a majoração da multa para R$ 500 mil caso o presidente repita o gesto. O pedido de Araujo Junior se baseia em tutela de urgência de ação civil concedida pela 1ª Vara Federal de Duque de Caxias (RJ) que determinou à União que se abstivesse de estimular a "não observância do isolamento social recomendado pela Organização Mundial da Saúde e o pleno compromisso com o direito à informação e o dever de justificativa dos atos normativos e medidas de saúde". Araujo Junior anotou. "A postura da Presidência da República aponta para o descumprimento do item 4 da decisão proferida por esse juízo, que ressaltou a necessidade de abstenção da União de adotar qualquer estímulo à não observância do isolamento social recomendado pela OMS e o pleno compromisso com o direito à informação e o dever de justificativa dos atos normativos e medidas de saúde. Além disso, há uma indicação de descumprimento quanto à edição de novos decretos sobre serviços e atividades essenciais sem observar a necessidade de medidas emergenciais de combate à covid-19." A Procuradoria pede a condenação ao pagamento da multa de R$ 100 e a majoração para R$ 500 mil caso Jair Bolsonaro volte a repetir o gesto.


Partidos estudam acionar Bolsonaro na Justiça por passeio

Nove partidos, em sua maioria siglas de esquerda, emitiram uma nota conjunta criticando o passeio do presidente Jair Bolsonaro pelas ruas de Brasília no domingo. Ele cumprimentou comerciantes e se posicionou contra o isolamento recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a pandemia de coronavírus. "Estamos estudando medidas judiciais cabíveis contra a atitude do Presidente da República, no intuito de salvaguardar vidas em nossa cidade, bem como mobilizando-nos em diversas ações de natureza política", diz a nota assinada por PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB, PCB, PV, Rede e Unidade Popular. Também assinam os grupos Consulta Popular e PRC. Bolsonaro foi às ruas de Brasília um dia após o seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pedir, em reunião tensa, que o presidente não menosprezasse a gravidade da pandemia em suas manifestações públicas. A ida de Bolsonaro a comércios da capital causou aglomerações de pessoas que queriam tirar selfies com o presidente. "O DF é, hoje, a terceira Unidade da Federação com o maior registro de casos. Assim, essa apologia ao descumprimento de orientações sanitárias pode fazer com que os números cresçam em nossa cidade e que cheguemos ao completo colapso do sistema de saúde", dizem os partidos. "O discurso criminoso e irresponsável do presidente custará vidas, principalmente dos mais pobres, vulneráveis e moradores das periferias. Segundo eles, a saída voluntária de Bolsonaro seria "menos custosa" ao País. O processo de impeachment, segundo alguns signatários, paralisaria o Congresso e o País durante o combate à doença. "Bolsonaro não tem condições de seguir governando o Brasil e de enfrentar essa crise, que compromete a saúde e a economia. Comete crimes, frauda informações, mente e incentiva o caos, aproveitando-se do desespero da população mais vulnerável. Precisamos de união e entendimento para enfrentar a pandemia, não de um presidente que contraria as autoridades de saúde pública e submete a vida de todos aos seus interesses políticos autoritários. Basta! Bolsonaro é mais que um problema político, tornou-se um problema de saúde pública. Falta a Bolsonaro grandeza. Deveria renunciar, que seria o gesto menos custoso para permitir uma saída democrática ao país. Ele precisa ser urgentemente contido e responder pelos crimes que está cometendo contra nosso povo", diz o documento. Assinam o texto os três principais candidatos de esquerda derrotados por Bolsonaro na eleição presidencial de 2018, Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL), os presidentes do PT, Gleisi Hoffmann; PDT, Carlos Lupi; PC do B, Luciana Santos; PSB, Carlos Siqueira; PSOL, Juliano Medeiros, e PCB, Edmilson Costa, além de outras lideranças da esquerda como o governador do Maranhão, Flavio Dino (PC do B), o ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro (PT) e os ex-senadores Roberto Requião (MDB-PR) e Manuela D'Ávila (PC do B-RS). No texto, os líderes de esquerda sugerem ainda a adoção de uma série de medidas de um Plano Emergencial de Ação: reforço às medidas de redução do contato social, criação de leitos de UTI e importação em massa de testes e equipamentos de proteção, implementação da renda básica permanente para trabalhadores desempregados e informais, suspensão da cobrança de tarifas de serviços para a população de baixa renda, proibição de demissões com o socorro do Estado aos setores mais prejudicados via financiamentos subsidiados e criação de um imposto sobre grandes fortunas. De acordo com signatários ouvidos pela reportagem, um dos objetivos é recolocar a esquerda no papel de contraponto a Bolsonaro, hoje exercido pelos governadores, em especial Doria, e pelo Congresso. No manifesto, as lideranças cobram medidas do Congresso, governadores, prefeitos e Ministério Público, excluindo Bolsonaro e seu governo das articulações para conter os danos físicos e econômicos da pandemia. "Frente a um governo que aposta irresponsavelmente no caos social, econômico e político, é obrigação do Congresso Nacional legislar na emergência, para proteger o povo e o país da pandemia. É dever de governadores e prefeitos zelarem pela saúde pública, atuando de forma coordenada, como muitos têm feito de forma louvável. É também obrigação do Ministério Público e do Judiciário deter prontamente as iniciativas criminosas de um Executivo que transgride as garantias constitucionais à vida humana. É dever de todos atuar com responsabilidade e patriotismo", diz o manifesto. O texto vinha sendo articulado por Boulos e Tarso desde sexta-feira. Alguns signatários como Ciro Gomes e os presidentes dos partidos só entraram na articulação ontem. Segundo Boulos, o documento é o primeiro passo desta nova unidade da esquerda e novas iniciativas virão. "O diferencial desta proposta são as medidas voltadas para o povo e não para os banqueiros. É uma articulação inédita da esquerda nos últimos anos", disse o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).


CFM lança canal para médicos denunciarem falta de equipamentos

O Conselho Federal de Medicina (CFM) lançou ontem um canal de denúncias para médicos sobre falta de equipamentos de proteção, infraestrutura precária para atendimento e outras irregularidades que podem ocorrer em unidades do SUS e da rede privada durante a pandemia da covid-19. A entidade liberou em seu site um formulário para denúncia. A ideia é gerar relatórios para serem distribuídos entre os conselhos regionais e tentar resolver os problemas com autoridades locais. "Não é de agora que a entidade vem elaborando inúmeras notas técnicas sobre as fragilidades no atendimento. Neste momento, onde temos uma pandemia que parece se disseminar facilmente, a preocupação aumenta", disse o diretor de Comunicação do CFM, Hideraldo Cabeça. O formulário tem campos específicos sobre acesso de equipamentos de proteção obrigatória, que são máscaras e luvas (de diferentes tipos), avental, gorro, óculos e protetor facial. O médico também poderá apontar a falta de insumos para higienização e desinfecção, como álcool gel. A plataforma permite ainda relatar carências em espaço de atendimento, como falta de leitos de internação, ou até mesmo assédio moral e subnotificação de casos que chegam ao atendimento de saúde, segundo o CFM. A notificação será georreferenciada. Ou seja, o conselho poderá saber exatamente onde está a unidade de saúde para levar a denúncia para as autoridades competentes. O conselho aponta preocupação com cenários vistos em outros países, como na Itália, onde há afastamento de profissionais de saúde por suspeita ou contaminação da covid-19. O governo italiano fez um apelo dramático para liberação de 2 milhões de máscaras que estavam bloqueadas no Brasil. "Os hospitais trabalham há dois dias sem, repito, máscaras e começamos a contar mortos entre as heroicas equipes médicas de todas as categorias que trabalham contra a epidemia", escreveu o embaixador italiano Francesco Azzerello a ministros do governo brasileiro. Na semana passada, a Associação Nacional de Hospitais Privados que há unidades da rede privada com até 10% da equipe já afastada. Ontem, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) formou parceria com dez empresas (ArcerlorMittal, Fiat, Ford, General Motors, Honda, Jaguar Land Rover, Renault, Scania, Toyota e Vale) para fazer a manutenção de respiradores voltados para o atendimento de brasileiros infectados pelo novo coronavírus. A indústria estima que até dez pacientes podem ser atendidos por cada aparelho recuperado. Segundo a Associação Catarinense de Medicina e a Lifeshub Analytics, mais de 3,6 mil ventiladores pulmonares não estão mais em operação porque precisam passar por manutenção ou porque já foram descartados. Os principais fabricantes de respiradores do Brasil não têm estoque do equipamento para entrega imediata e devem levar ao menos 15 dias para fornecer uma nova leva de aparelhos para os hospitais. Os aparelhos são essenciais para a manutenção da vida de pacientes com quadros graves de infecção pela covid-19. A corrida para aquisição de respiradores também criou disputa entre o governo federal, Estados e municípios. Hospitais da rede privada também reclamam que ordens desencontradas para recolhimento de produtos ameaçam inviabilizar o atendimento de pacientes - além de expor equipes de saúde à contaminação por falta de insumos. O objetivo da iniciativa do Senai com as empresas é que os próprios hospitais enviem os equipamentos que necessitam passar por reparação. Os pontos de entrega estão espalhados por 13 Estados: Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. "Esta é uma agenda extremamente importante dado o cronograma crítico da covid-19 e a necessidade determinante de ter o maior número de equipamentos com prontidão, em funcionamento", disse o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi.




©2017 - Diário Comercial. Todos os direitos reservados.