Diário Comercial

Destaques do Dia


Colunas


Victor Mothé Pereira Nunes

vmpnunes@hotmail.com

Utilizando uma apropriada caixa de ferramentas (i)

No último texto publicado, foi apresentado um modelo para a execução de um planejamento estratégico particular, a saber: “o plano de vida pessoal”, mediante adoção de uma metodologia similar àquela que é utilizada para as empresas, e tendo como característica a utilização do denominado “tripé do planejamento pessoal”, sendo composto: (i) Pela confecção da “missão individual”, referendada como a razão pessoal da própria existência; (ii) Pela descrição dos “valores pessoais”, os princípios que guiam as decisões e balizam o comportamento pessoal, resultando na redação da "Constituição Pessoal", ou seja, a carta de valores, pessoal e intransferível; e (iii) Pela identificação da denominada “visão individual”, caracterizada como a explicitação do que se espera e se acredita para o próprio futuro, mediante adoção da prática de registro de um "diário do futuro", ou seja, a projeção de um filme da sua vida, tendo como base a reunião das experiências passadas e a visão de futuro, uma película extraordinária onde você figura como diretor e protagonista de sua própria história. Todo este desenvolvimento de um planejamento estratégico particular, conforme anteriormente descrito, requer e possibilita, em adição, a utilização de uma específica caixa de 12 ferramentas para a otimização da prática do planejar, sendo estas técnicas então propostas, aqui denominadas ferramentas, elencadas ao longo dos anos por diversos autores, com base nos convencionais “quatro pês (quatro Ps) do marketing” (originalmente apresentados por Edmund Jerome McCarthy, professor e escritor norte-americano, na obra "Basic marketing, a managerial approach”, publicada em 1960 pela editora Richard D. Irwin, Inc.), como únicas variáveis relevantes do chamado composto mercadológico, a saber, em livre tradução: produto (product), preço (price), ponto ou praça (place) e promoção (promotion); tendo ao final uma fantástica matriz, adaptada, formada por novos e peculiares 12 “Ps”, conforme apresentados adiante e no artigo da próxima semana. O primeiro “P” é denominado “Pest“, um acrônimo formado pelas iniciais de político, econômico, social e tecnológico (political, economic, social, technological): Tendo sido descoberta a “missão de vida”, selecionados os valores que irão balizar comportamentos e ações e determinado onde se pretende estar a partir da visão do futuro, o indivíduo deverá fazer uma atenta análise do ambiente externo, ou seja, o ambiente político, econômico, social e tecnológico no qual está inserido. De fato, em grande parte, todo o ambiente externo pode influir no modo de vida, uma vez que o comportamento humano é parcialmente resultante do momento histórico, incluindo as questões culturais, caracterizando uma questão relevante, permanente e geradora de mudanças constantes para todo o processo de planejamento, e que pode ser representado pela célebre frase de cinco séculos antes de Cristo, na dialética descrita pelo filósofo Heráclito de Éfeso, nascido na atual Turquia, que afirmava: “Tudo flui, nada persiste, nem permanece o mesmo.” O segundo “P” é denominado “Phocus“, em livre tradução, foco: Compreendido o ambiente externo, estabeleça o foco de atuação. Pode parecer elementar, mas muitos cometem equívocos neste instante, comprometendo o resultado de todo o planejamento. E erram ou por constituir muitos focos ou por eleger como primordial o objetivo inadequado. Várias flechas não garantem o acerto do alvo, e vários alvos confundem o arqueiro. Por isto, a definição deve ser clara, analítica e específica. Neste passo, procure fundamentar a missão, tendo como orientação os valores e como trajeto um caminho que siga em direção da visão. O terceiro “P” é denominado “Positioning“, em livre tradução, posicionamento: Consiste no planejamento e organização da identidade pessoal, com a representação de todos os sinais e códigos de comunicação transmitidos pelo estilo individual e pela personalidade, com o objetivo de delimitar, baseado no phocus (foco), quais são as características mais singulares que nortearão a construção da imagem pessoal, com o intuito de conquistar o respeito, a admiração e a confiança das pessoas e da sociedade. O quarto “P” é denominado “Product“, em livre tradução, entendido como produto: Corresponde ao momento de trabalhar o marketing pessoal, projetando uma imagem de marca em relação a si próprio, a partir de dois níveis essenciais: a embalagem e o conteúdo. O aspecto externo é o princípio de tudo, pois não se terá uma segunda oportunidade de causar uma primeira boa impressão. Portanto, cuide da aparência, utilizando trajes com propriedade, evitando o uso excessivo de acessórios e cosméticos, aprendendo regras de etiqueta e melhorando o vocabulário, tanto falado quanto escrito. Mas embora o design (embalagem) seja importante, se o que estiver por dentro não lastrear a expectativa criada, então o sucesso seguramente deixará de se estabelecer. Por isso, atente para a formação acadêmica. Estude com regularidade e aprenda outros idiomas. Seja uma pessoa autêntica, transparente e íntegra. É o melhor caminho para conquistar a confiança e a simpatia dos demais. O quinto “P” é denominado “Promotion“, em livre tradução, promoção: Não adianta fazer a melhor coisa do mundo ou ter atributos invejáveis se ninguém tomar conhecimento. É preciso comunicar e repercutir. Neste sentido, tenha sempre um cartão de visitas à mão, mesmo que esteja desempregado. Crie um blog ou website pessoal e participe de comunidades na rede mundial de computadores (internet). Com o tempo, crie as próprias comunidades e se gostar de escrever, publique artigos. E também um livro. Participe de eventos para ver e ser visto. E isto inclui todo tipo de evento. Shows, seminários, feiras, reuniões de condomínio. Procure frequentar ambientes variados para ter acesso a pessoas diferentes, com formação, cultura e ideias diversas. O resultado deste processo de comunicação será uma ampla rede de relacionamento, o tão comentado networking. O sexto “P” é denominado “Place“, em livre tradução, local, devendo ser entendido como distribuição, caracterizando a correta utilização das técnicas de comunicação sugeridas no tópico anterior, para divulgação das ideias e dos ideais que, desta forma, poderão ser conhecidos por todos que se sentirem seduzidos a visitar seu sítio na internet. A reunião de opiniões qualificadas com o networking extenso pode proporcionar grande alcance e destaque para os seus conceitos e para a sua imagem, mas tenha sempre em mente a conveniência de guardar fidelidade e alinhamento com a missão.



















©2017 - Diário Comercial. Todos os direitos reservados.